quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Como detectar uma brasileira em três etapas

Lá vai eu bancar a megera mais uma vez. Mas é infálivel:

• Cabelo extramamente alisado ou com listras de luzes brancas, (resultado do vício obsessivo das brasileiras em serem loiras + chapinha e alisamentos).

• Bolsa kipling

E o melhor de todos, rs:

• Calça jeans apertada com tênis esporte, de corrida, etc: Nike shocks e afins. 

(Grrrr.)

Mas quem sou eu pra julgar né? De qualquer forma, deixo aí uma reflexão: Por quê?

 POR QUÊ, Brasil?

domingo, 31 de agosto de 2014

Só para constar,

O meu é árabe, caso vocês não saibam.

Já faz alguns anos que o paquistanês ficou no Paquistão, porque né; Eu comecei com essa história de paquistanês quando eu tinha meus 15 ou 16 anos e levei até a faculdade. Mas a vida muda e a gente CRESCE.

Passei meus 20, 21 anos, ainda conversando com ele online, mas tudo foi se acabando naturalmente. Não, ele não foi um filho da puta que brincou com meus sentimentos atrás de um visto. Não, ele não me machucou ou mentiu pra mim, como todos esses dramalhões por aí. Até porque ele tinha seus 17 anos quando começou a conversar comigo. O negócio é que EU desencanei. Eu cresci, amadureci, deixei o computador e fui viver uma vida de verdadinha aqui em Toronto.

Por coincidência, (coincidência mesmo), porque Toronto é um lugar extremamente multicultural, comecei a namorar um árabe, um "Habibi" de verdade, from Saudi Arabia, com quem vivo já faz 2 anos e estamos noivos, (pois ééé). E assim né, a "coincidência" ficou só na religião mesmo, porque de árabe, paquistanês não tem nada e vice versa.

Não faço a Maria - Oriente Médio/ Ásia, ele era meu colega de classe na escola de inglês que estudei. Foi realmente algo que aconteceu naturalmente. Eu nem ia com a cara dele, achava muito metidinho a galã. Eu costumo não ir com a cara de homens bonitos (puro preconceito) e ele é muito bonito, sem querer ser pretensiosa.

E só para constar, estou com 24 anos.

quarta-feira, 28 de maio de 2014

O resgate de uma brasileira na Turquia

Aí negada, para quem namora online, fica uma reflexão.
E olha a merda que aconteceu..

http://youtu.be/h6xgaW4Gu5c

Deixei o link porque to postando pelo o Iphone e esse app do blogger não tem opção para video, um cocô.




terça-feira, 27 de maio de 2014

Chupa universo!


Eu já entendi a trama faz tempo. Sempre que chego em alguma estação que há wifi, é só resolver usar a internet, que o próximo bound chega em menos de 1 minuto, por isso, nem perco meu tempo.

Pois hoje eu estava com pressa e por algum motivo o metrô empacou na estação Bloor-Yong (com wifi), e la fiquei sentada, esperando, com a síndrome das pernas inquietas no último grau.

'Qué vê eu fazer essa merda comprida andar?', pensei comigo, né. 

Bem, dessa vez usei a conspiração do universo a favor de mim, foi proposital, eu queria fazer o trem andar e devagarinho fui enfiando a mão na bolsa. Olhei para o universo e disse "Opa! Tem wifi e neste exato momento estou pegando meu celular para fofocar no whatsapp, xeretar no facebook e olhar a previsão do tempo", não deu outra, no mesmo segundo em que tirei o celular da bolsa,  o sino do trem tocou, as portas se fecharam e a gravação falou "The next station is wellsley. Wellsley station".

quinta-feira, 22 de maio de 2014

Peidar emagrece?



Mês passado fui à uma casa de ervas chinesas lá em China Town e encontrei o famoso chá importado "Extra Strength 3 Ballerine Tea". As origens deste chá de ervas vêm de uma receita escrita em um livro de medicina chinesa pelo herbalista chinês Lee Sze-Zhen, no século XVI, (os ingredientes principais são folhas de chá verde e erva sene). Após séculos de uso, foi provada como um dos melhores chás para dieta e é indicado para obesidade. Então, claro, eu comprei.

Cheguei em casa toda felizinha a preparar o meu chá, pensando que estava desafiando os deuses da caganeira e ter uma linda diarréia desidratadora, (que é o que a gente sempre espera dos veneninhos emagrecedores), já que a erva sene age como um laxante. Mas não. 

Minha barriga ficou só no samba do criolo doido. Tudo bem que o peido é um aviso da estação intestino, para a estação toba, alertando que o trem bosta vem vindo, (sem julgamentos, por favor), mas não foi o meu caso.

Fui ao banheiro uma só vez e, por desventura, passei o resto do dia nos esquadrões de caças-bombardeiros (F-15) e intensas dores abdominais.

 Ontem a noite virei uma chícara e fui dormir, acordei com os gremilins na barriga. Pois sim, me jogue contra a parede e me julgue, mas eu também não sei porque continuo ingerindo algo que me faz peidar, acreditando que isso emagrece :(

terça-feira, 20 de maio de 2014

Habiba?

Gente, por favor... O feminino de habibi é habibt.

E não habiba!

Humf!

domingo, 18 de maio de 2014

Comer e coçar, é só começar!

Ontem acordei com as minhas lombrigas gritando por arepas, uma comida venezuelana que não dá para explicar, tem que experimentar.

Fui direto para Kensington Market, um bairro distinto multicultural no centro de Toronto, cheio de biboquinhas ecléticas, coloridas e interessantes das quais eu adoro. Enchi meu brioco de uma arepa bem suculenta e gordurosa, em um restaurante Venezuelano bem agradável. Depois zanzei por Kensington e me apaixonei por uma casa de chás naturais. 

Mas não era sobre as minhas lombrigas sul-americanas que eu pretendia falar. Na verdade vim fazer uma presença e dizer que estou viva. Desculpe o sumiço, ando muito ocupada em fazer nada, mas muitas coisas aconteceram e estou cheia de causos para contar.

A Mel, a minha Pitbull, morreu e meu mundo acabou por esses tempos :( Isso aconteceu no momento em que meu namorado, foi visitar a família por um mês, na Arabia Saudita e eu fiquei sozinha aqui, (Sim, eu tenho um namorado árabe já faz séculos. Sim, o paquistanês dançou 'why this kolaveri di' já faz séculos).

Mas enquanto organizo minhas pautas, dê uma olhada no blog da Nicolle, essa garota é das minhas! Adoro tricotar e fofocar com ela. Cheia de opinião e personalidade. E o blog é interessantíssimo e adepto de uma leitura clara e super gostosa de ler.

É wordpress, coisa fina: nouvellenouveau.wordpress.com

Um beijo da gorda safada!

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Minha família Saudita

Peguei uma gripe demoniaca que me fez sentir até nostalgia do Brasil. To podre. Mas o gozado é que só o meu lado esquerdo ta fodido. Minha narina esquerda entupida e escorrendo, minha amígdala esquerda inflamada, meu olho esquerdo vermelho, levemente inchado e lacrimejando, porém meu corpo inteiro dói paporra.

Enquanto faz -10 lá fora, passei o dia inteiro sentada no tapete, com uma febre que me fez suar na bunda, assistindo o Abdul jogar Call Of Duty enquanto comia suas sementes de girassol. Mês retrasado, estive tão gripada quanto agora e o Abdul com toda gentileza, fez uma misturinha que a mãe dele fazia pra ele quando era criança. Pegou uma panela pequena e mexeu por alguns minutos mel, limão e gengibre, no fogo.

E aí eu me dei conta do quanto tive sorte em Toronto. Aqui eu encontrei uma família. Uma família Saudita, constituída por rapazes Sauditas estudantes que me respeitam como uma irmã. Eu não vou nem comentar sobre o país... Isso não vem ao caso.

Nunca mencionei aqui que moro com Sauditas, né? Talvez por eu estar doentinha, estou um tanto introspectiva e fiquei com vontade de escrever algo fofinho. Eles me respeitam e muito. Aqui eu sentei no chão e comi Kabsa no mesmo prato e com as mãos, junto com eles. Bem, eu tentei. É preciso ter as manhas, e eu me sujo muito e sempre termino usando os talheres. Pois sim, eles comem arroz com as mãos, (pois sim, enfie esse seu "nojinho" na sua cavidade anal).

E realmente aquela frase, que diz "Nem sempre é preciso ter laços de sangue, família a gente escolhe por afinidade.", faz todo o sentido. 
 

Show Me The Stars Template by Carly Lloyd Designs